As luzes do carrossel
Obra aberta França-Brasil

 Duas ilhas, uma na França, no Atlântico Norte, a ilha de Ré, e outra no Brasil, no Atlântico Sul, a ilha de Boipeba; uma ponte estendida entre essas duas terras, entre esses dois povos.
Nosso sonho: tornar possível um mesmo espetáculo de dança, uma homenagem à obra do poeta brasileiro Jorge Amado, uma iniciativa conjunta de dança contemporânea, de pintura, de capoeira, de musica e canto.
A primeira apresentação acontecera no dia 10 de junho na ilha de Ré, sob a direção de Anne-Laure Nivet, na sala cultural da Maline.
Em seguida, em 2009, acontecerá o ano da França no Brasil. Nosso projeto integrará esse quadro contando com o apoio do Conseil General de Charentes Maritime e do estado da Bahia.
Prevemos nossa chegada ao Brasil já no mês de outubro para começarmos o trabalho em Boipeba. Uma primeira apresentação do espetáculo é prevista em Boipeba em abril de 2009 com jovens dançarinos. 

 

 

 

 

 

Historia, método e pedagogia
Jovens dançarinos no coração do projeto

A pintura é a base do trabalho de criação na história de “Luzes do carrossel”. Ela carrega a trama e a poesia do texto.
A pintura serve de impulso ao trabalho de criação do espetáculo de dança.
Na prática, Anne-Laure, estimula seus jovens dançarinos à participar da criação. A trama está aí, construída, mas são os dançarinos que vão trazer suas frases, suas palavras, seus sentimentos dando a possibilidade ao mestre-coreógrafo de ajustar, de refinar seu trabalho.
O procedimento é participativo, critico, evolutivo. Demandando uma boa escuta, um sentimento de participação, de idas e vindas com os jovens que trazem suas idéias, seus questionamentos.
São essas meninas que dão origem à criação. O projeto avança com elas, com sua sensibilidade, singularidade, investimento pessoal.
É uma forma de transmissão. A pintura nasce da imaginação do autor, e tomam corpo, ganham vida, como diz a história.

Na realidade, essa é uma historia da busca pela liberdade, de um pai que sai de casa. É Salomão, o rei que é ao centro do carrossel. Os personagens: sobre um fio, sobre um balão, os dançarinos estrela e o homem que cospe fogo giram, se segurando ao carrossel. Uma noite, Salomão lança um desafio: sejam livres, livres de partir, de (re)viver. Eles vão buscar essa liberdade, mas por fim decidem ficar. Só Salomão parte, deixando livre o seu lugar